Etiquetas

, , , ,

Polícia Federal prende 8 pessoas em São Paulo

a-foto-pf-do-brasil

Guarulhos, São Paulo / BC, SC, Brasil.- A Polícia Federal prendeu, entre os dias 23 e 25 de setembro, oito passageiros por tráfico internacional de drogas e três por tentativa de iludir a fiscalização alfandegária.

Segundo a Agencia de Noticias da Polícia Federal, na sexta-feira 23 de setembro, a PF, em ação conjunta com a Polícia Civil, prendeu dois passageiros de voo procedente de Miami e um funcionário de uma empresa prestadora de serviços auxiliares à aviação. Os passageiros presos desembarcavam com várias malas lotadas de mercadoria importada e, nas esteiras de bagagem, pegavam somente uma delas deixando as demais para que o funcionário, responsável pela retirada de bagagens esquecidas, as desviasse entregando-as posteriormente aos seus donos fora da área restrita do aeroporto, ludibriando a fiscalização da Receita Federal. Policiais federais e civis, por meio dos serviços de inteligência, monitoraram toda a ação criminosa e fizeram a prisão dos os envolvidos. Durante as investigações, foi apurado que os passageiros pagavam ao funcionário uma quantia em dólares por mala restituída.

Já no saguão de embarque, na fila do check-in, policiais federais encontraram no fundo falso da mala de um homem ucraniano, de 56 anos, que pretendia embarcar com 2 kg de cocaína em voo com destino a Hong Kong, na Ásia.

No sábado (24/9), foram apreendidos cerca de 12 kg de cocaína e presos um homem lituano, um sul-africano e uma mulher angolana. A droga apreendida estava escondida em fundos falsos das malas e em cápsulas atadas à perna da passageira angolana. A droga tinha como destino África do Sul, Filipinas e o Congo.

Outras quatro prisões foram feitas no domingo (25/9) e apreendidos cerca de 37 kg de cocaína que seguiriam para a Espanha, Líbano e Etiópia. Foram presos um casal de venezuelanos com quase 15 kg da droga, um colombiano com 20 kg e uma brasileira com outros 2 kg.

De acordo com a PF, os presos foram conduzidos aos presídios estaduais, onde permanecerão à disposição da Justiça.