Etiquetas

, , , ,

Foto Polícia Federal do Brasil. -BC, SC, Brasil.- A Polícia Federal faz no dia 29 de julho operação para desarticular uma organização criminosa que usava ilegalmente o próprio nome da PF. O grupo fazia anúncios para atrair jovens amazonenses a apresentações artísticas na Coreia do Sul, mas na verdade tinha como objetivo a exploração sexual dos interessados.

A empresa Brazil Amazon Show & Productions postava anúnicos em redes sociais para recrutar jovens dançarinos e dançarinas, com a promessa de pagar passagens aéreas, visto, alimentação, moradia e um salário de R$ 3 mil. A PF era apresentada como validadora dos contratos de trabalho.

Segundo Agência Brasil (EBC), a Operação Salve Jorge cumpriu, na manhã da sexta-feira, cinco mandados de condução coercitiva e cinco de busca e apreensão. As investigações apontaram cidadãos sul-coreanos como responsáveis por financiar o esquema.

Tráfico internacional de pessoas

Em nota à imprensa a Polícia Federal  divulgo que, na sexta-feira 29 de julho deflagrou a Operação Salve Jorge, com o objetivo de desarticular organização criminosa envolvida com tráfico internacional de pessoas para fins de exploração sexual.

Em nota oficial, a PF, informou que foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e cinco mandados de condução coercitiva, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Amazonas e a ação contou com aproximadamente 30 policiais. Os conduzidos estão sendo ouvidos na Superintendência Regional do Amazonas.

As investigações indicaram que o grupo criminoso planejava levar jovens amazonenses à Coréia do Sul para apresentações artísticas regionais do Amazonas, bem como para exploração sexual, por intermédio da empresa BRAZIL AMAZON SHOWS & PRODUCTIONS.

Na promessa oferecida aos dançarinos, estão incluídas passagens aéreas, visto, alimentação, moradia e ainda salário mensal de R$ 3.000,00. Os anúncios de recrutamento dos jovens foram veiculados em redes sociais utilizando o nome da Polícia Federal como órgão validador dos contratos de trabalho e vistos, a fim de ludibriar os dançarinos dando a aparência de legalidade.