Etiquetas

, , , ,

Após dois anos de fuga, Pizzolato já está preso na Penitenciária da Papuda

Brasília - O ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, chegou a Brasília, onde vai começar a cumprir pena com mais de dois anos de atraso Antonio Cruz/ Agência Brasil

Brasília – O ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, chegou a Brasília, onde vai começar a cumprir pena com mais de dois anos de atraso Antonio Cruz/ Agência Brasil

BC, SC, Brasil.- O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, único condenado no processo do mensalão que ainda não havia cumprido pena em solo brasileiro, já está encarcerado.

Cabe assinalar que a informação foi facilitada pela Agência Brasil (EBC) no dia 23 de outubro.

Ele chegou ao Brasil pouco antes das 7h, vindo da Itália, para onde fugiu em 2013 antes do fim do julgamento que o condenou a 12 anos e sete meses de prisão por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro.

No Complexo Penitenciário da Papuda, Pizzolato ficará recluso em uma cela do Bloco 5 do Centro de Detenção Provisória. Seguindo padrões definidos pela Lei de Execução Penal, as instalações do complexo possuem área mínima de seis metros quadrados.

O preso terá a mesma rotina dos demais internos, podendo sair para o banho de sol por duas horas diárias. A realização de atividades laborais poderá ser feita por Henrique Pizzolato conforme suas “aptidões e capacidade”, informou a subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal (Sesipe).

A ala em que Pizzolato ficará é destinada a receber condenados que precisam ficar afastados da maior parte dos presos, como ex-policiais e outras pessoas em situações específicas.

Pizzolato chegou à Papuda pouco antes das 10h30 e antes disso, já em Brasília, permaneceu por 30 minutos no Instituto Médico-Legal, onde fui submetido a exame de corpo de delito.

O desembarque em São Paulo, em um voo comercial vindo de Milão, põe fim à história de fuga de um dos condenados no processo da Ação Penal 470, que envolveu também vários recursos judiciais e tentativas do governo brasileiro de trazê-lo de volta ao Brasil.