Etiquetas

,

NATO Photo

NATO Photo

BC, SC, Brasil.- O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Jens Stoltenberg, disse hoje (6) que as informações recolhidas pela organização apontam para que as violações do espaço aéreo turco por aviões de combate russos, no fim de semana passado, não tenham sido “um acidente”.

Em coletiva de imprensa no quartel-general da OTAN, em Bruxelas, Stoltenberg apontou que a duração das violações, comparativamente a incidentes anteriores registados no espaço aéreo europeu, e o fato de se terem registado dois incidentes ao longo do fim de semana levam a entidade a concluir que “não parecem ser acidentais”.

“É por isso que levamos isto muito a sério”, disse, reiterando que este tipo de incidente pode “criar situações muito perigosas”, motivo pelo qual é fundamental que Moscou tome todas as medidas para garantir que tais violações do espaço aéreo de um país membro da OTAN não voltem a ocorrer.

Os incidentes levaram Stoltenberg a convocar, na segunda-feira (5), uma reunião de emergência do Conselho do Atlântico Norte, com embaixadores, e deverá dominar a discussão na reunião de ministros da Defesa da OTAN, prevista para a próxima quinta-feira (8) em Bruxelas.

Na segunda-feira, após a reunião do conselho, a OTAN advertiu a Rússia para o “perigo extremo do comportamento irresponsável” que representa a violação do espaço aéreo de um dos seus membros e voltou a criticar a intervenção militar russa na Síria.

Apontando que os ataques da aviação russa em Hama, Homs e Idleb causaram vítimas civis “e não visaram o Daesh” (designação para o autoproclamado Estado Islâmico), a aliança pediu à Federação Russa para “parar imediatamente os ataques contra os civis e opositores sírios e focar os seus esforços na luta contra o Estado Islâmico”.

Ao mencionar a violação do espaço aéreo turco por um avião de combate russo no fim de semana, a Otan reafirmou o “firme protesto” e “condenação”, por parte dos aliados, a estas incursões no espaço aéreo da aliança militar e advertiu para “o perigo extremo de tal comportamento irresponsável”.

Cabe assinalar que diversas informações foram fornecidas pela Agência Brasil (EBC).