Etiquetas

, , ,

Foto Agencia Brasil -BC, SC, Brasil.- Os Estados Unidos inscreveram o dia 8 de setembro três altos representantes do grupo palestino Hamas e um membro do grupo libanês Hezbollah, em sua lista terroristas internacionais. Do Hamas foram incluídos, Mohammad Deif, líder do grupo e chefe das brigadas Ezzedin al-Qassam, além de Yehia Sinwar e Rawhi Mushtaha. Os dois últimos estiveram em poder do Exército israelense, mas, em 2011, haviam sido libertos em uma negociação pela liberdade do soldado israelita Gilad Shalit.

Segundo Agência Brasil (EBC) o quarto nome incluído na lista é o libanês Samir Kuntar, do Hezbollah. Ele viveu quase 30 ano em uma prisão israelita, condenado por um triplo homicídio em 1979. A informação sobre a inclusão dos integrantes do Hamas na lista de terroristas foi repassada pelo departamento de Estado norte-americano.

De acordo com o comunicado divulgado hoje, a inclusão na lista determina o congelamento de bens dos indivíduos que estejam nos Estados Unidos, além da proibição de que cidadãos norte-americanos façam transações comerciais com os citados.

Dentre os quatro nomes anunciados, o que tem maior relevância na hierarquia do Hamas é Mohammad Deif. O paradeiro dele é desconhecido, e ele é procurado pelo exército de Israel.

O departamento de Estado detalhou que Deif tornou-se conhecido por ordenar atentados suicidas e raptos de soldados israelitas. “Ele tem 50 anos e é responsável por duros ataques ao exército israelense”, descreve o comunicado. “No conflito de 2014 entre Israel e o Hamas, Deif foi o cérebro da estratégia ofensiva do grupo islâmico palestiniano”, diz.

Os outros dois, Yahya Sinuar e Rauhi Muchtaha, fazem parte do quadro do Hamas, mas são considerados membros fundadores das brigadas Ezzedin al-Qassam, pelo departamento de Estado.

Eles foram detidos por Israel em 1988, por “atividade terrorista”, e libertados em outubro de 2011, quando foi feito um acordo pela troca de cerca de mil prisioneiros palestinos pela libertação do soldado israelita Gilad Shalit, de nacionalidade franco-isralense, que permaneceu cinco anos em poder do Hamas.

O libanês Samir Kuntar teria sido acolhido pelo Hezbollah, de acordo com a justificativa do departamento de Estado. “Kuntar tornou-se um dos mais eloquentes porta-vozes do grupo”, segundo o texto.