Etiquetas

,

Secretário-geral assistente da ONU para assuntos políticos diz que ano começa com um sentimento crescente de apreensão. Recentes medidas unilaterais têm contribuído com a tensão e têm reduzido a probabilidade da retomada das negociações de paz no futuro.

Menino palestino e soldado israelense diante do Muro da Cisjordânia. Foto: Wikicommons/Justin McIntosh (CC)

Menino palestino e soldado israelense diante do Muro da Cisjordânia. Foto: Wikicommons/Justin McIntosh (CC)

Rio de Janeiro.- No conflito entre Israel e Palestina, nenhuma das partes tomou medidas desafiadoras para reverter a desconfiança entre os dois lados, disse o secretário-geral assistente da ONU para assuntos políticos, Jens Anders Toyberg-Frandzen, ao falar sobre sobre o processo de paz na região no Conselho de Segurança da ONU, nesta quinta-feira (15).

Toyberg-Frandzen disse que o ano começa com um sentimento crescente de apreensão em relação à direção que a região está tomando. Recentes medidas unilaterais têm contribuído com o aumento da tensão e têm reduzido a probabilidade da retomada das negociações de paz no futuro.

Como exemplo, ele citou o caso das autoridades israelenses, que congelaram cerca de 127 milhões de dólares de impostos coletados pela Autoridade Nacional Palestina em dezembro, violando as obrigações do Acordo de Oslo, depois da Palestina aderir a 18 tratados internacionais, incluindo o Tribunal Penal Internacional (TPI).

Toyberg-Frandzen disse também que o chefe da ONU, Ban Ki-moon, pediu aos dois lados para evitar decisões que possam aumentar ainda mais as diferenças. Além disso, Ban ressaltou que a comunidade internacional deve assumir sua responsabilidade e desempenhar um papel eficaz que leve israelenses e palestinos à criação de dois Estados independentes, vivendo lado a lado em segurança e de uma paz duradora.

É preciso informar que a informação, traduzida ao idioma português, foi divulgada pela ONU Brasil no dia 16 de janeiro.