Etiquetas

, , , ,

Greate 0

Crianças na cidade de Embetyo, Eritreia. Foto:OCHA/Gemma Connell.

Crianças na cidade de Embetyo, Eritreia. Foto:OCHA/Gemma Connell.

Rio de Janeiro.- Recrutamento forçado, execuções extrajudiciais e desaparecimentos forçados vêm mantendo os direitos humanos na Eritreia em situação aterradora, alertou a especialista independente das Nações Unidas, Sheila B. Keetharuth, nesta segunda-feira (29).

Os abusos generalizados frequentemente alegados no país do Chifre da África têm levado muitos eritreus a deixar seu país à procura de refúgio na Europa. As autoridades da Itália, por exemplo, relataram o socorro de 32 mil eritreus em 2014, a maioria resgatada pela operação Mare Nostrum do governo italiano, durante diferentes tentativas de atravessar o Mediterrâneo.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU vem trabalhando no estabelecimento de uma comissão de inquérito para investigar os relatos de abusos de direitos humanos no país, como tortura, repressão à liberdade de expressão e de opinião, detenções arbitrárias e sem possibilidade de comunicação, execuções extrajudiciais e desaparecimento forçado.

Keetharuth é também relatora especial da ONU sobre a Eritreia e pediu que a comunidade internacional e o governo e a população eritreus cooperem com a comissão de inquérito. O objetivo é que seja percorrido o caminho até a prestação de contas pelos atos de violência que podem atingir milhares de pessoas.

Cabe assinalar que a informação foi divulgada, em idioma português, pela Onu Brasil no dia 1º de outubro.

Básico A