ONU aplaude avanços no acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia e o governo

Entre os pontos pendentes na agenda está a atenção às vítimas do conflito. Foto: Mariana Nissen

Entre os pontos pendentes na agenda está a atenção às vítimas do conflito. Foto: Mariana Nissen

Rio de Janeiro.- O Escritório da ONU na Colômbia parabenizou os acordos alcançados nesta quinta-feira (25) nos diálogos de paz entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que acontecem em Havana, Cuba.

“Este ato ajudará a plantar a confiança cidadã necessária para garantir o sucesso do processo de paz”, informouo Escritório da ONU colombiano, que adicionou que várias questões mencionadas nos textos contribuirão para reduzir a iniquidade, superar a pobreza, garantir a inclusão política e respeitar os direitos humanos.

No entanto, a Organização frisou que para estes acordos entrarem em vigência é preciso um comprometimento com o fim das hostilidades no país. “Esse ponto é fundamental, dado que o conflito continua gerando vítimas e afeta de uma maneira desproporcionada às populações mais vulneráveis nas regiões mais afastadas”, disse a Organização.

Esperança de paz para todo o mundo

Em seu discurso na Assembleia Geral, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou que um acordo colocando um fim aos 50 anos de conflito no país “alcançará um objetivo que os colombianos esperam sem sucesso por muitos anos e dará nova esperança para a paz em qualquer lugar do mundo”.

Os diálogos entre o governo colombiano e as FARC na capital cubana começaram há 22 meses. Até o momento ambas as partes alcançaram um consenso em três pontos de ação: desenvolvimento rural abrangente; participação política e melhoria no enfoque de resposta ao tráfico de drogas.

“Concordamos em continuar desmantelando as estruturas mafiosas da droga, promover um programa nacional de substituição de colheitas e desenvolvimento alternativo e abordar o problema de consumo desde o ponto de vista da saúde”, disse Santos. Os pontos pendentes têm como base as condições do fim do conflito e a atenção às vítimas.

É preciso dizer que a informação foi divulgada, em idioma português, pela ONU Brasil, no dia 26 de setembro.

Submarino 0