STD 0

Foto ONU

Foto ONU

Rio de Janeiro.- A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova,condenou o assassinato do jornalista norte-americano James Foley, sequestrado em novembro de 2012, e pediu a libertação dos jornalistas mantidos como prisioneiros na Síria.

“Eu condeno o assassinato de James Foley, nos termos mais fortes possíveis”, disse a diretora-geral. “Há poucas palavras para descrever esse assassinato hediondo, que se transformou em um cruel e macabro espetáculo pela gravação em vídeo que tem sido amplamente divulgado para intimidar a mídia, os governos e os cidadãos de todos os países, além de infligir uma dor terrível à família, amigos e colegas de Foley.”

“James Foley e outros jornalistas corajosos como ele mantiveram o mundo informado sobre o conflito na Síria, bem como sobre o terrível preço que está sendo pago pelo povo sírio e por seu país. O relato preciso é uma função essencial em qualquer sociedade – e ainda mais em tempos de guerra, quando os cidadãos têm o direito de saber o que está acontecendo e o direito de se expressar.”

Vários outros jornalistas ainda são mantidos prisioneiros na Síria, incluindo Steven Sotloff, que estava preso com Foley, e cuja vida também está ameaçada. “Eu apelo aos responsáveis que libertem todos os repórteres, sãos e salvos”, acrescentou Bokova.

James Foley, de 40 anos, trabalhava para a GlobalPost, uma publicação online sediada em Boston, para a Agência France Presse, a agência francesa de notícias, e para outros meios de comunicação. Ele havia desaparecido em 22 de novembro de 2012, enquanto produzia reportagens sobre os combates na cidade de Aleppo. Jornalista experiente, Foley passou períodos consideráveis cobrindo conflitos no Oriente Médio, e havia sido detido brevemente antes, enquanto trabalhava na Líbia.

A diretora-geral emite declarações sobre o assassinato de jornalistas, de acordo com a Resolução 29 adotada pelos Estados-membros da UNESCO na Conferência Geral da Organização de 1997, intitulada “Condenação da Violência contra Jornalistas”. Essas declarações são publicadas em um site dedicado ao assunto.

Cabe assinalar que a informação, traduzida em idioma português, foi distribuída na quinta-feira, 21 de agosto, pela ONU Brasil.

Affordable 0