Etiquetas

, ,

Logo LanTam_en

 

Menino palestino brinca em uma das escolas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina. Foto: UNRWA

Menino palestino brinca em uma das escolas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina. Foto: UNRWA

Rio de Janeiro.- No decorrer de uma inspeção de rotina em suas instalações, a
Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) descobriu novamente nesta terça-feira (22) foguetes escondidos em uma de suas escolas na Faixa de Gaza. Assim que os foguetes foram descobertos, os funcionários da UNRWA evacuaram o local e por isso são incapazes de confirmar o número exato de projéteis. A escola está situada entre duas outras escolas da UNRWA que atualmente abrigam cerca de 1.500 pessoas deslocadas cada uma.

Em nota, a UNRWA condenou “veementemente” o grupo ou grupos responsáveis por colocar as armas em uma de suas instalações. “Esta é uma flagrante violação da inviolabilidade das suas instalações no âmbito do direito internacional”, disse a agência em nota.

Imediatamente após a descoberta, a Agência informou às partes relevantes e está tomando todas as medidas necessárias para a remoção dos foguetes e as providências para preservar a segurança da escola, disse a UNRWA, que também lançou uma investigação sobre as circunstâncias do novo incidente.

A UNRWA informou ter “procedimentos fortes e estabelecidos” para manter a neutralidade de todas as suas instalações – incluindo uma “rigorosa política antiarmas e inspeções de rotina de suas instalações para garantir que estas estejam sendo utilizadas apenas para fins humanitários”. Após o novo incidente, a agência da ONU informou que reforçará ainda mais os seus procedimentos.

A população civil palestina em Gaza depende da UNRWA para obter assistência humanitária e abrigo, especialmente durante as escaladas de violência. “Portanto, a integridade das instalações da ONU deve ser mantida respeitada”, conclui a nota da agência que, atualmente, abriga mais de 100 mil pessoas em suas escolas.

È preciso dizer que a informação foi traduzida e divulgada pela ONU Brasil, no dia 23 de julho.

WEBJET  0