Etiquetas

Pacto Global

Edição em português do guia é iniciativa do Grupo Temático Anticorrupção da Rede Brasileira do Pacto Global. Foto: Pacto Global/reprodução

Edição em português do guia é iniciativa do Grupo Temático Anticorrupção da Rede Brasileira do Pacto Global. Foto: Pacto Global/reprodução

Na abertura da Copa do Mundo da Fifa, a Rede Brasileira do Pacto Global propõe às empresas uma nova visão sobre o patrocínio a grandes eventos esportivos. A partir desta quinta-feira (12), “Combatendo a corrupção no patrocínio esportivo e nas ações de hospitalidade – Um guia prático para empresas” está disponível em português para download no site do Pacto Global com a meta de contribuir com a prevenção da corrupção nesse tipo de ação de marketing.

É preciso assinalar que, a informação foi divulgada pela ONU Brasil, no dia 12 de junho.

O documento, de 52 páginas, aponta os riscos mais recorrentes e propõe uma metodologia para melhorar a transparência e a ética nos contratos e na prestação de contas de patrocínios ao esporte.

O guia também aborda outra modalidade bastante comum de apoio, conhecida como “ações de hospitalidade” – ou troca de favores e presentes entre patrocinadores e entidades desportivas. A temática ganhou relevância no Brasil devido à intensa agenda de realização de grandes eventos ligados a diversas modalidades esportivas. Além do mundial de futebol, o país será sede das Olimpíadas de 2016.

A principal recomendação do guia é tratar entidades desportivas com o mesmo rigor que deveria ser dispensado aos fornecedores de serviço comuns das empresas. Isso significa adotar e implementar medidas progressivas de compliance e due diligence, tais como avaliações de riscos, auditoria e programas anticorrupção para aprovação do patrocínio.

Para enfrentar os riscos relacionados à corrupção, são propostas seis etapas: 1) comprometimento com os princípios de conduta empresarial do Pacto Global da ONU; 2) avaliação de riscos, oportunidades e impactos; 3) definição de metas; 4) implementação de estratégias; 5) mensuração de impactos; 6) comunicação do progresso às partes interessadas. A criação de canais de denúncias e a divulgação em site dos contratos de patrocínios são algumas ações propostas.

Sobre o Guia

“Combatendo a corrupção no patrocínio esportivo e nas ações de hospitalidade” foi lançado originalmente em inglês em março deste ano. O documento reflete
discussões e consultas públicas com empresas, sociedade civil e especialistas, lideradas pelo Grupo de Trabalho internacional sobre o 10 º Princípio contra a Corrupção do Pacto Global da ONU. O Instituto Ethos e a Petrobrás, que integram o grupo, contribuíram com a redação do texto.

A tradução e o lançamento da versão em português é uma iniciativa do Grupo Temático Anticorrupção da Rede Brasileira do Pacto Global. Segundo Aline Figueiredo, responsável de Relações Institucionais do Instituto Ethos e coordenadora do GT, o próximo passo será cobrar de grandes empresas patrocinadoras um compromisso público com as diretrizes apontadas pelo guia. “Também queremos facilitar o acesso dessas informações às pequenas e médias empresas, uma vez que as orientações gerais sobre compliance servem para outros contextos de patrocínios”, destaca Aline.

Sobre o Pacto Global

Lançado em 2000, o Pacto Global das Nações Unidas é a maior iniciativa de sustentabilidade corporativa voluntária do mundo. Reúne 8 mil signatários corporativos em 145 países com o objetivo de alinhar as operações de negócios aos dez princípios universalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

O Brasil é a 4ª maior rede local, com cerca de 600 signatários – entre empresas e outras organizações. Desde 2011, o PNUD Brasil exerce a função de Secretariado Executivo, responsável pela coordenação e promoção do Pacto Global no país.

Acesse o documento “Combatendo a corrupção no patrocínio esportivo e nas ações de hospitalidade – Um guia prático para empresas” clicando aqui.