C16 Foto Agência Polícia Federal do BrasilGoiânia/GO, Brasil. – A Polícia Federal deflagrou na manhã do 23 de maio a Operação Águas Profundas com objetivo de desarticular uma organização criminosa especializada em tráfico internacional de drogas, que vinha sendo investigada há dois anos e meio.

Segundo nota divulgada pela Agência de Noticias da Polícia Federal, a quadrilha possui alto grau de profissionalismo em suas atividades, tendo uma estrutura logística com alcance em diversos setores, desde aeroportos, portos, despachantes aduaneiros, casas de câmbio, construtoras, hotel, fazendas e empresas agropecuárias.

Diz a informação oficial que, participam da operação 250 policiais federais e 25 servidores da Receita Federal, que dão cumprimento a 10 mandados de prisão preventivas, 28 mandados de condução coercitiva, 47 mandados de busca e apreensão, em sete estados (GO – SP – PR – PA – MG – MT – SC), com diligências nas cidades de Goiânia/GO (01), Aparecida de Goiânia/GO (02), Goiatuba/GO (06), Rio Verde/GO (04), Guarujá/SP (02), Ribeirão Preto/SP (07), Bertioga/SP (02), São Paulo/SP (12), Campinas/SP (01), Santos/SP (02), Londrina/PR (02), Belém/PA (01), Icoaraci/PA (01), Belo Horizonte/MG (01), São José do Xingu/MT (01) e Itajaí/SC (01).

A PF relatou em nota que, o grupo criminoso utilizava as mesmas regras usadas em negócios de grandes empresas: sempre coordenada por um líder, o qual coloca em prática os mesmos princípios da economia de mercado, com a utilização de diversos mecanismos contábeis, comerciais e cambiais, sempre visando o maior lucro possível e a redução constante de custos.

Com apoio da Receita Federal, foram feitos levantamentos patrimoniais dos integrantes da quadrilha resultando na identificação e sequestro de 46 imóveis, sendo um hotel, nove fazendas, uma chácara, seis casas, 26 lotes, quatro apartamentos na praia, cinco apartamentos e um box de garagem, avaliados em aproximadamente R$ 100 milhões, e ainda dezenas de veículos e contas bancárias.