Etiquetas

,

Pesquisa global da ONU sobre prioridades de desenvolvimento já ouviu 1,6 milhão de pessoas

Consulta sobre o pós-2015 com comunidades do Nordeste realizada pelo PNUD em parceria com o Movimento Nós Podemos Paraíba. Foto: Flavio Lopes UNV/PNUD Brazil

Consulta sobre o pós-2015 com comunidades do Nordeste realizada pelo PNUD em parceria com o Movimento Nós Podemos Paraíba. Foto: Flavio Lopes UNV/PNUD Brazil

Rio de Janeiro, Brasil.- Aproximadamente 1,6 milhão de pessoas já participou da pesquisa “Meu Mundo”, um esforço coletivo das Nações Unidas e parceiros para avaliar as prioridades de desenvolvimento pós-2015 da população em todo o mundo. No Brasil, mais de 40 mil pessoas já disseram para ONU quais são suas prioridades para um mundo melhor. Participar e dar sua opinião é simples, basta entrar na página em português da campanha.

O objetivo da pesquisa, cujos dados auxiliarão na elaboração da agenda de desenvolvimento da ONU pós-2015, é descobrir quais as seis prioridades que o público global acredita devam ser implementadas depois de 2015, prazo final de implementação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM).

Neste mês, a ONU lançou relatórios por país da campanha com o objetivo de destacar as tendências de prioridades escolhidas nacionalmente. Os relatórios foram gerados para os países que coletaram mais de 2 mil votos – incluindo o Brasil, o sexto país mais participativo do mundo.  Uma “boa educação” foi preferência no Brasil, onde foi apontada como prioridade por quase todas as categorias da pesquisa (por gênero e por faixa etária). Com 42.512 votos, os brasileiros elegeram saúde (2º), governo honesto (3º), proteção contra o crime e a violência (4º), proteção do meio ambiente (5º) e alimentos (6º) como seus tópicos mais urgentes.

Globalmente, as seis prioridades apontadas pelo público foram, na ordem, uma boa educação, melhores condições de saúde e de trabalho, governo honesto e atuante, mais acesso a alimentos de qualidade e melhor saneamento básico.

O relatório cruza os dados informações provenientes de outras duas plataformas projetadas pela ONU e pela sociedade civil, como parte das conversas globais pós-2015: as Consultas Nacionais e o diálogo nas redes sociais desenvolvido pela “Global Pulse”.

Cabe dizer que al informação foi traduzida em idioma português e distribuída pela ONU Brasil.

Participe da pesquisa.