Ruanda. Foto: ONU

Ruanda. Foto: ONU

Washington, EUA. – O World Resources Institute (WRI), o Google e um grupo de mais de 40 parceiros lançaram o Global Forest Watch (GFW), um sistema de alerta e monitoramento online dinâmico de florestas que permite às pessoas em todo o mundo manejar melhor as florestas. Pela primeira vez, o Global Forest Watch une a última tecnologia de satélite, os dados abertos e o crowdsourcing para garantir o acesso a informações acuradas sobre florestas.

 Empresas, governos e comunidades precisam de informações urgentes sobre florestas. Agora, eles podem ter”, afirma Andrew Steer, presidente e CEO do WRI. “O Global Forest Watch é uma plataforma de monitoramento em tempo quase real que mudará a maneira como pessoas e empresas manejam florestas. A partir de agora, os maus não podem mais se esconder, e os bons serão reconhecidos por suas ações”, completa.

 Segundo dados da Universidade de Maryland e do Google, o mundo perdeu 2,3 milhões de quilômetros quadrados (230 milhões de hectares) de cobertura florestal entre 2000 e 2012 – o equivalente a 50 campos de futebol de floresta perdidos a cada minuto todos os dias durante 12 anos. Os países com a maior perda de cobertura florestal são Rússia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Indonésia.

 Gerenciar recursos das florestas mundiais é um compromisso local e global, e a tecnologia oferece ao Global Forest Watch uma oportunidade sem precedentes para conectar dados, informações e pessoas, sejam elas gestores de florestas, empresários ou consumidores por todo o planeta. Este é um grande exemplo de trabalho conjunto que oferece ao mundo um resultado verdadeiramente pioneiro e inovador. Espero que em alguns anos possamos monitorar o impacto e os resultados do que realmente acontece– será ao mesmo tempo um teste decisivo e a maior afirmação que esta iniciativa chegou na hora certa”, comenta Achim Steiner, sub-secretário geral da ONU e diretor executivo do PNUMA.

 Estamos honrados da parceria com o WRI e em empoderar o Global Forest Watch com tecnologia em nuvem, quantidade massiva de dados e a ciência do Google”, diz Rebecca Moore, gerente de engenharia do Google Earth. “O GRW representa uma visão ambiciosa, e ainda assim oportuna e acessível com o conhecimento do WRI em ciências e políticas ambientais, e a tecnologia de alta performance do Google que oferecemos a esta iniciativa”.

 Algumas das funcionalidades do Global Forest Watch são: 

  • Alta resolução: dados sobre o ganho e perda de cobertura florestal anual para todo o planeta a uma resolução de 30 metros disponível para análise e download.
  • Tempo quase real: dados mensais da perda de cobertura florestal para as regiões tropicais a uma resolução de 500 m.
  • Velocidade: computação em nuvem, fornecida pela Google, multiplicando a velocidade a que os dados podem ser analisados.
  • A “crowd”: o GFW une informações de alta resolução de satélites com o poder do crowdsourcing.
  • Gratuito e fácil de usar: o GFW é gratuito para todas as pessoas e não requer conhecimentos técnicos.
  • Alertas: quando são detectados alertas de perda florestal, uma rede de parceiros e cidadãos em todo o mundo podem ser mobilizados para tomar medidas.
  • Ferramentas de análise: camadas a mostrar as delimitações das áreas protegidas em todo o mundo; concessões para abate de árvores, minas, óleo de palma, entre outras; alertas diários de incêndios florestais da NASA; mercadorias agrícolas; e ambientes florestais intactos e hotspots de biodiversidade.

 Um grupo de líderes governamentais, empresariais e da sociedade civil lançou o Global Forest Watch, no Newseum, em Washington, D.C, no dia 20 de fevereiro.

 Parcerias como o Global Forest Watch que unem governos, empresas, sociedade civil e inovação tecnológica são o tipo de solução que precisamos para reduzir a perda da cobertura de florestas, reduzir a pobreza e promover o crescimento econômico sustentável”, afirma Rajiv Shah, da Agência para Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (Usaid, na sigla em inglês).

 O GFW terá implicações de longo alcance nas indústrias. Instituições financeiras podem avaliar melhor se as empresas em que investem avaliam de forma adequada os riscos relacionados com as florestas. Compradores das principais mercadorias, como o óleo de palma, soja, madeira e carne bovina podem monitorizar melhor a conformidade com as leis, os compromissos de sustentabilidade e as normas. E fornecedores podem demonstrar de forma credível que os seus produtos não são resultantes do desmatamento e que são produzidos de forma legal.  

O desmatamento apresenta um risco material às empresas que dependem das colheitas associadas à floresta. A exposição a esse risco tem o potencial para debilitar o futuro das empresas,” disse Paul Polman, CEO, Unilever. “É por isso que o Plano de Vida Sustentável da Unilever definiu objetivo para obter 100 % das matérias-primas agrícolas de forma sustentável. Como aspiramos a aumentar a visibilidade da origem dos ingredientes para os nossos produtos, o lançamento do Global Forest Watch – uma ferramenta fantástica e inovadora – vai fornecer as informações de que tanto precisamos para tomar as decisões certas, fomentar a transparência, reforçar a responsabilidade e facilitar as parcerias.”  

O GFW pode apoiar outros públicos de interesse, como as comunidades indígenas, que podem carregar alertas e fotografias quando ocorrer alguma invasão das suas terras; e as ONG, como o Imazon, que podem identificar os focos de desmatamento, mobilizar ações e recolher provas para responsabilizar os governos e as empresas. Ao mesmo tempo, muitos governos, como a Indonésia e a República Democrática do Congo, acolhem com agrado o GFW porque os pode ajudar a conceber políticas mais inteligentes, a aplicar as leis florestais, a detectar desmatamentos florestais ilegais, a gerir as florestas de forma mais sustentável e a alcançar os objetivos de conservação e climáticos.  

A Indonésia se comprometeu a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 26%, ou em 41% com o apoio internacional, o que reflete um compromisso nacional e internacional para combater as mudanças climáticas. A maneira de atingir esse objetivo é intimamente ligada à forma de gerenciar nossas florestas”, comenta Hery Prasetyo, chefe da Agência de REDD+ da Indonésia. “A capacidade de melhor monitorar nossas florestas e ter acesso a informações atualizadas para tomar decisões é fundamental. Damos as boas-vindas ao Global Forest Watch, continuaremos a apoiá-los e esperamos que seja uma ferramenta efetiva para o mundo e para cada nação, na medida que deixamos a negligência e a ignorância no passado”.  

O GFW foi desenvolvido pelo WRI em colaboração com mais de 40 parceiros, incluindo empresas de tecnologia (Google, ScanEx e ESRI), empresas de outras áreas (Unilever e Nestlé e a parceria TFA 2020), organizações internacionais (PNUMA, GEF), ONG importantes (CGD, Imazon, Transparent World), entre outros. Os principais financiadores são a Noruega, a USAID, o DFID, o GEF e o Tilia Fund.

 Mais informações  

Sobre o World Resources Institute

O WRI é uma organização de investigação mundial que abrange mais de 50 países, com gabinetes nos Estados Unidos, China, Índia, Brasil, entre outros. Os nossos mais de 300 especialistas e funcionários trabalham de perto com os líderes para tornar as grandes ideias em medidas para proteger os nossos recursos naturais – a base das oportunidades econômicas e do bem-estar humano.

 Global Forest Watch

O Global Forest Watch (GFW) é um sistema de alerta e monitoramento de florestas online e dinâmico que permite às pessoas em todo o lado gerir melhor as florestas. Pela primeira vez, o GFW une a tecnologia de satélite, os dados abertos e ocrowdsourcing para garantir o acesso a informações acuradas sobre as florestas. Em posse das últimas informações do GFW, os governos, as empresas e as comunidades podem travar a perda florestal.

Cabe assinalar que a informação em idioma português foi divulgada pelo PNUMA desde Washington DC.