Diretora-geral da agência da ONU afirmou estar “alarmada” com os assassinatos do editor Pedro Palma, do cinegrafista José Lacerda da Silva e do radialista Edilson Dias Lopes, em incidentes distintos.

Diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova. Foto: ONU/Amanda Voisard

Diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova. Foto: ONU/Amanda Voisard

Rio de Janeiro, Brasil.- A diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, afirmou nesta quarta-feira (19) estar “alarmada” com os assassinatos de três profissionais de mídia no Brasil – o editor Pedro Palma, o cinegrafista José Lacerda da Silva e o radialista Edilson Dias Lopes – em incidentes distintos. Bokova pediu que uma investigação detalhada seja feita em todos os três casos.

Estou chocada com os assassinatos de Pedro Palma, José Lacerda da Silva e Edilson Dias Lopes”, disse a diretora-geral. “O preço que incide sobre os trabalhadores da mídia é trágico e inaceitável, e peço às autoridades que garantam que cada um desses casos seja exaustivamente investigados e levados à justiça. A liberdade de expressão não pode prosperar sob a ameaça de armas de fogo”, advertiu Bokova.

Pedro Palma, editor do jornal semanal Panorama Regional, foi baleado em frente a sua casa no interior do Rio de Janeiro, em 13 de fevereiro.

José Lacerda da Silva, cinegrafista da TV Cabo Mossoró regional, foi baleado por dois indivíduos em um carro, na cidade de Mossoró, na noite de 16 de fevereiro, de acordo com a ‘Repórteres sem Fronteiras’.

Edilson Dias Lopes, jornalista da rádio comunitária Explosão Jovem FM, foi baleado na cidade de Pinheiros, ao norte do Estado do Espírito Santo, em 11 de fevereiro, segundo a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

Desde o começo de 2013, a diretora-geral já condenou um total de 10 assassinatos de profissionais de mídia no Brasil. Suas condenações estão postadas em uma página do portal da UNESCO dedicada a assassinatos de jornalistas.

Cabe assinalar que a informação foi divulgada no dia 20 de fevereiro pela ONU Brasil.