Imagem: Clurichaun/Creative Commons
Imagem: Clurichaun/Creative Commons

Rio de Janeiro, Brasil.- O tabagismo mata 6 milhões de pessoas no mundo anualmente, 1 milhão delas no continente americano. Ele é o fator de risco mais importante para doenças crônicas comuns, como o câncer, doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratórias.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), representação regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), apesar do progresso alcançado no continente americano, a epidemia do tabaco vai continuar crescendo caso o tabagismo não seja controlado pelas autoridades.

O Relatório sobre o Controle do Tabaco na Região das Américas em 2013, lançado na semana passada, resume o progresso na implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco da OMS, o primeiro tratado internacional de saúde pública do qual 29 dos 35 países americanos fazem parte.

A Convenção obriga os Estados a pôr em prática uma série de medidas para reduzir o consumo de tabaco e proteger a população contra a exposição à fumaça.

Medidas práticas

De acordo com o documento, há seis medidas que podem ser aplicadas para reverter a situação nas Américas.

Os países devem fazer leis que exijam o uso de grandes advertências ilustradas nas embalagens de cigarro para informar adequadamente os consumidores sobre as consequências do fumo, monitorem a evolução do consumo de produtos derivados do tabaco, protejam as pessoas contra a exposição à fumaça, ofereçam ajuda para parar de fumar e aumentem os impostos sobre esses produtos.

Na região, há 145 milhões de fumantes, que representam 12% do total mundial. Segundo o relatório, menos de metade da população é protegida contra a exposição da fumaça do tabaco em ambientes completamente livres do fumo e apenas 25% está protegida da publicidade do produto.

A prevalência padronizada de consumo de tabaco na população adulta americana é de 22% e varia muito entre os países. Entre os mais jovens, de 13 a 15 anos, a prevalência do uso de tabaco varia de 35,1% no Chile a 2,8 % no Canadá, por exemplo.

Nas Américas, a implementação da Convenção-Quadro da OMS fez progressos, mas ainda há desafios. Existem hoje 17 países que proíbem fumar em espaços públicos e locais de trabalho fechados e transportes públicos, como no Brasil, Chile, Costa Rica e Jamaica. Ainda assim, estes 17 países representam apenas 46% da população da região.

Influência da publicidade

Apenas cinco países da região, representando 25% da população do continente, estão protegidos contra a influência da publicidade, da promoção e do patrocínio de produtos com tabaco. A maioria dos Estados da região aplica impostos especiais para produtos com tabaco, mas poucos usam essas leis como uma medida de saúde pública para reduzir o consumo.

Pela primeira vez, o relatório fornece informações não só sobre o tabagismo, mas também sobre outros produtos, com ou sem fumo. Por exemplo, entre os adultos, o consumo de tabaco sem fumaça é baixo. No entanto, o grupo de consumidores entre 13 e 15 anos é bem alta, atingindo 12,6% na República Dominicana.

Erroneamente acredita-se que o cigarro sem fumaça é uma alternativa menos prejudicial para o tabagismo, além de ser mais barato e uma opção em lugares onde é proibido fumar”, adverte o relatório.

Cabe assinalar que a informação foi divulgada, en idioma português, pela ONU Brasil no dia 18 de fevereiro.