Trabalhadores com vacinas contra a poliomielite atravessam um pântano na província de Sindh, no Paquistão, para encontrar crianças durante uma campanha de imunização em setembro de 2012. Foto: UNICEF/Asad Zaidi

Trabalhadores com vacinas contra a poliomielite atravessam um pântano na província de Sindh, no Paquistão, para encontrar crianças durante uma campanha de imunização em setembro de 2012. Foto: UNICEF/Asad Zaidi

Rio de Janeiro, Brasil.- Através de um comunicado nesta quarta-feira (22), Ban Ki-moon reiterou a sua preocupação com os contínuos ataques terroristas e a violência sectária no Paquistão, em particular com os atentados recentes contra trabalhadores que combatem a poliomielite no país.

Estes ataques estão dificultando os esforços de erradicação da doença no Paquistão, um dos últimos três países onde a poliomielite permanece endêmica”, afirmou o secretário-geral.

Ban relembrou ainda os ataques a um mercado na cidade de Rawalpindi que deixou 13 mortos e a um ônibus de peregrinos Shia que deixou mais de 20 pessoas mortas, entre as quais mulheres e crianças.

Ele destacou o compromisso das Nações Unidas em ajudar o governo do Paquistão no combate ao terrorismo e à violência extremista.

Cabe assinalar que a informação foi traduzida e divulgada pela ONU Brasil no dia 23 de janeiro.