Atlas Brasil 2013

Canaã dos Carajás (PA) é uma das cidades onde o PNUD atua com o projeto local de desenvolvimento humano. Foto: PNUD Brasil/Daniel de Castro

Canaã dos Carajás (PA) é uma das cidades onde o PNUD atua com o projeto local de desenvolvimento humano. Foto: PNUD Brasil/Daniel de Castro

Rio de Janeiro, Brasil.- Dados socioeconômicos são fundamentais para a identificação de carências e construção de políticas públicas adequadas para os municípios, afirmou o assessor da secretaria-geral do governo do estado de Minas Gerais, Antônio Claret, o terceiro entrevistado da série “Atlas Brasil 2013 – Desenvolvimento Humano em debate” do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

A série de vídeos foi gravada para o “Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013”, um site de consulta ao Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) e a mais de 200 indicadores socioeconômicos dos estados e municípios brasileiros. Ele possui dados dos censos demográficos de 2010, 2000 e 1991, além de informações dos 5.565 municípios brasileiros.

IDHM é essencial para as políticas de desenvolvimento humano no estado de Minas Gerais”, disse Claret. “É através dele, o primeiro filtro, que nós selecionamos os municípios que vão participar do Programa Travessia, que é a nossa principal estratégia [para melhorar o desenvolvimento humano]”, acrescentou.

Segundo ele, o IDHM e os outros indicadores socioeconômicos mais específicos são fundamentais para identificar e enfrentar os problemas estaduais e municipais relacionados à saúde, educação, qualidade de vida e emprego.

Ter um arcabouço de indicadores que nos mostram um panorama municipal localizado é fundamental para poder trabalhar com esses municípios, apesar de suas heterogeneidades, de maneira mais precisa”, explica, acrescentando que o Índice de Desenvolvimento Humano é um avanço em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), uma referência muito geral para os municípios.

Ele também acredita que a informação é uma arma poderosa para que a população cobre das autoridades o que precisa ser feito para a sua cidade. “Uma ferramenta como o Atlas pode empoderar o cidadão porque faz com que ele, ao ter o conhecimento da sua realidade, consiga se mobilizar. Consiga cobrar do poder público municipal, fazer sua própria atuação, se reunir com seus pares para mudar a realidade em que está inserido”.

As entrevistas para a série “Atlas Brasil 2013 – Desenvolvimento Humano em debate” possuem temas variados que englobam cidadania, transparência política, gestão pública e indicadores municipais.

Elas foram gravadas com representantes de governos estaduais e municipais, de organizações não governamentais, do setor privado e da academia para demonstrar como os indicadores de desenvolvimento humano podem colaborar para fortalecer a sociedade, orientar que caminhos tomar e provocar reflexões sobre os rumos do desenvolvimento humano no país.

Para ver o que o jornalista e consultor de mídias sociais Pedro Markun disse sobre tecnologia, transparência e acesso à informação, clique aqui. Para assistir à entrevista com o economista Ladislau Dowbor acesso à informação estimula participação social nas políticas públicas, clique aqui.

Cabe assinalar que a informação foi divulgada no dia 22 de janeiro pela ONU no Brasil.

Assista abaixo à entrevista na íntegra