Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e primeiro-ministro do Iraque, Nouri Al-Maliki, numa coletiva de imprensa em Bagdá. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e primeiro-ministro do Iraque, Nouri Al-Maliki, numa coletiva de imprensa em Bagdá. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Rio de Janeiro, Brasil.-A deterioração da segurança em algumas áreas no Iraque preocupa o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que pediu nesta segunda-feira (13) a todos os líderes políticos para se unirem contra o terrorismo, trabalharem em conjunto para estabilizar o país e pararem as “mortes sem sentido de mulheres, crianças e homens iraquianos”.

Nós concordamos que os desafios no Iraque exigem que todos os líderes políticos cumpram as suas responsabilidades para assegurar a coesão social, o diálogo e o progresso acima de obstáculos políticos”, disse Ban ao lado de primeiro-ministro do país, Nouri Al-Maliki, após reunião em Bagdá.

Pedindo aos líderes iraquianos para abordarem as causas da atual onda de agitação, garantindo que “ninguém seja deixado para trás”, Ban encorajou medidas para fortalecer o tecido social do país – por meio da participação política, processos e instituições democráticas, do respeito pelo Estado de direito, direitos humanos e desenvolvimento inclusivo – acrescentando que conta com eles para que demonstrem “coragem, sabedoria, persistência e visão”.

Reunido em Nova York na sexta-feira (10), o Conselho de Segurança da ONU condenou os confrontos nas cidades de Ramadi e Fallujah, na província de Anbar, realizados por militantes ligados a Al-Qaeda e ressaltou a importância crítica da continuidade do diálogo e da unidade nacional para o futuro do país.

Cabe assinalar que a informação foi traduzida e divulgada no dia 13 de janeiro pela ONU no Brasil.