C8 Foto ONU Brasil         -Rio de Janeiro, Brasil.- O coordenador humanitário da ONU no Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, voltou de sua visita ao norte do país, onde um conflito armado está em sua sexta semana consecutiva.

Ahmed demonstrou preocupação e pediu que o acesso imediato, incondicional e irrestrito as milhares de pessoas deslocadas internamente – algumas precisando de atendimento médico urgente – seja permitido.

A cidade de Dammaj, localizada na província de Saada, tem sido o centro de confrontos entre os Houthi e grupos armados Salafi nas últimas semanas. Recentemente o conflito aumentou, resultando em dezenas de mortos e feridos, afetando cerca de 29 mil pessoas.

Um bloqueio de uma das principais estradas que entram em Saada impede que combustível, alimentos, suprimentos médicos e outros produtos que atendem as necessidades da população consigam chegar. O bloqueio também cortou o acesso dos trabalhadores humanitários que querem ajudar as pessoas deslocadas internamente nos campos da região de Hajjah.

Durante a minha visita a Saada, pedi que todas as partes envolvidas neste conflito permitissem o acesso dos trabalhadores humanitários para que eles pudessem ajudar as pessoas afetadas pelos conflitos. Eu também pedi que eles cumprissem o seu dever de proteger os civis”, disse Ahmed.

coordenador humanitário também alertou para a possibilidade de uma nova crise humanitária no país devido ao aumento do preço dos alimentos. Ahmed acrescentou que “parceiros humanitários estão prontos para responder à evolução das crises, mas não podem fazer nada até que o acesso imediato, incondicional e irrestrito seja permitido”.

Atualmente, cerca de 13 milhões de pessoas – mais da metade da população – precisam de ajuda humanitária.

Cabe assinalar que a informação foi traduzida e divulgada pela ONU Brasil no dia 29 de novembro.