Em média, 20 tufões atingem as Filipinas todos os anos. Foto: IRIN/Jason Gutierrez

Em média, 20 tufões atingem as Filipinas todos os anos. Foto: IRIN/Jason Gutierrez

Rio de Janeiro, Brasil.- As Nações Unidas e parceiros estão apoiando as Filipinas para avaliar os danos causados pelo tufão Haiyan, que atingiu a costa de Guiuan esta manhã na ilha Samar (4h30 horário local / 18h30 de quinta-feira pelo horário de Brasília). De acordo com a imprensa, ao menos três pessoas morreram, sete ficaram feridas e 125 mil tiveram de abandonar suas casas.

Estamos trabalhando em conjunto em apoio ao Governo e autoridades locais para avaliar as necessidades vitas das pessoas afetadas pelo tifão”, explicou a coordenadora residente e humanitária em exercício no país, Julie Hall.

O supertufão, conhecido localmente como Yolanda, arrancou telhados, árvores e afetou empresas, mas a extensão completa dos danos só poderá ser conhecida depois que a tempestade passar.

Também segundo a mídia, esta é uma das tormentas mais fortes já registradas, com ventos de 275 km/h. Na escala de ventos Saffir-Simpson, um furacão/tufão é classificado na categoria cinco (a mais alta) quando passa dos 252 km/h.

O Governo tomou medidas preventivas para salvar vidas ao retirar pessoas de áreas costeiras e de baixa altitude, mais propensas a enchentes e deslizamentos de terra. A equipe humanitária da ONU no país e parceiros complementaram esses esforços disponibilizando estoques de itens vitais para pessoas afetadas.

Os agentes humanitários estão plenamente preparados para auxiliar o Governo na resposta ao tufão, garantiu Hall.

Cabe assinalar que a informação foi traduzida e divulgada no dia 8 de novembro pela ONU no Brasil.