Votação do Conselho de Segurança para aprovar uma operação de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali a partir de julho de 2013. Foto: ONU/JC McIlwaine

Votação do Conselho de Segurança para aprovar uma operação de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali a partir de julho de 2013. Foto: ONU/JC McIlwaine

Rio de Janeiro, Brasil.- O sequestro seguido de assassinato de dois jornalistas franceses, sábado (2) no Mali, foi veemente condenado pelo Conselho de Segurança da ONU e pela UNESCO.

A diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, descreveu o incidente como “um crime hediondo que é condenado por todo o mundo”.

Bokova afirmou que os dois jornalistas franceses, Ghislaine Dupont e Claude Verlon, “pagaram o preço mais alto possível por fazerem o seu trabalho, por defenderem a liberdade de expressão e o direito das pessoas à informação; por contribuírem – com as suas reportagens – na luta do Mali contra a violência e o extremismo e no seu esforço de reconstrução”.

O Conselho de Segurança da ONU também prestou condolências aos familiares das vítimas e ao governo francês.

No mesmo comunicado, o Conselho apelou ao governo do Mali para que “investigue rapidamente o crime” e relembrou a necessidade de todas as partes envolvidas no conflito de respeitar a lei humanitária internacional.

Os dois jornalistas franceses foram sequestrados e mortos perto da cidade de Kidal por um grupo de homens armados. Os corpos foram encontrados pelas forças militares francesas.

Cabe assinalar que a informação, traduzida em idioma português, foi divulgada no dia 5 de novembro pela ONU no Brasil.