Equipe da missão da ONU com a OPAQ chegando em Damasco, Síria, no dia primeiro de outubro. Foto: ONU/Hend Abdel Ghany

Equipe da missão da ONU com a OPAQ chegando em Damasco, Síria, no dia primeiro de outubro. Foto: ONU/Hend Abdel Ghany

Rio de Janeiro, Brasil.- A missão conjunta das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) na Síria já visitou 18 dos 23 locais divulgados pelo governo do país que produzem armas químicas, informou o porta-voz da OPAQ, Michael Luhan, na quarta-feira (23).

A interação com a ONU continua excelente e a cooperação das autoridades sírias completa”, disse Luhan a jornalistas em Haia. Ele acrescentou que a equipe está fazendo uma “destruição funcional” para garantir que todos os lugares fiquem inoperantes.

Luhan disse que a equipe está concentrada em destruir “o que chamamos de equipamento fundamental, que está no coração da unidade de produção ou que comanda a mistura e enchimento de unidades”.

Segundo ele, esse equipamento será destruído, tornando as instalações de produção e equipamentos inoperantes. Luhan também informou que estão sendo utilizados métodos de “tecnologia rápida e barata”, tais como encher os equipamentos com concreto ou quebrá-los.

Isso significa que (a Síria) não terá mais a capacidade de produzir armas químicas e não terá mais qualquer equipamento de trabalho para misturar e preencher munições com agente de armas químicas”, afirmou.

Com o que foi alcançado até agora, a OPAQ espera atingir o prazo para averiguar todos os 23 locais até o dia primeiro de novembro.

Cabe assinalar que a informação foi traduzida e divulgada pela ONU no Brasil.