Camila Pitanga é uma das artistas que estão apoiando campanha da OIT. Foto: reprodução

Camila Pitanga é uma das artistas que estão apoiando campanha da OIT. Foto: reprodução

Rio de Janeiro, Brasil.- A Organização Internacional do Trabalho (OIT) está relançando a campanha “Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil”, que já conta com o apoio de diversos artistas de fama mundial, como Cher e Susan Sarandon. Artistas brasileiros de renome – como Wagner Moura, Priscila Camargo, Osmar Prado, Camila Pitanga, Gilberto Miranda, Dira Paes, Camila Pitanga, Gilberto Miranda, Dira Paes e Bete Mendes – posaram para fotos e gravaram vídeos para a campanha.

Cabe assinalar que a informação foi divulgada no dia 23 de outubro pela ONU Brasil.

A OIT lançou a primeira campanha do cartão vermelho em 2002 com o objetivo de sensibilizar a opinião pública sobre o trabalho infantil. Oito anos mais tarde, a II Conferência Global sobre Trabalho Infantil, que ocorreu em Haia, comprometeu-se com a eliminação das piores formas de trabalho infantil até 2016.

Embora durante a última década o número de crianças que trabalham no mundo tenha se reduzido em um terço até chegar a 168 milhões, os progressos foram lentos. Os 152 países que participaram da III Conferência Global, realizada entre em outubro em Brasília, renovaram seu compromisso para alcançar este objetivo.

Metade das crianças que trabalham está presa nas piores formas de trabalho infantil. Trabalham em campo, minas ou fábricas e podem ser vítimas de abuso sexual, exploradas pelo tráfico de drogas ou forçados a alistar-se em milícias ou exércitos.

Além de Cher, os atores Susan Sarandon, Tim Roth, Jon Tenney, Olivia Wilde, Jason Sudeikis e Rob Morrow apoiam a campanha. Também aderiram atletas dos Estados Unidos e das Filipinas. O Mundial de Futebol de 2014 e as Olimpíadas do Rio em 2016 serão grandes eventos de mobilização para a campanha.

A OIT é a agência da ONU especializada no mundo do trabalho e tem o maior programa do mundo para a eliminação do trabalho infantil. Este programa contribuiu para liberar 3 milhões de crianças em todo o mundo.