Cécile Pouilly, porta-voz do Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos. Foto: ACNUDH

Cécile Pouilly, porta-voz do Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos. Foto: ACNUDH

Rio de Janeiro, Brasil.- O escritório das Nações Unidas de direitos humanos pediu nesta terça-feira (22) a libertação imediata de um conhecido poeta do Catar, duramente condenado por um poema que supostamente encorajava a derrubada do sistema de governo do país.

Cabe assinalar que a informação foi divulgada o dia 22 de outubro, em idioma português, pela ONU no Brasil.

Mohammed al Ajami – também conhecido como Ibn al Dheeb – foi inicialmente condenado à prisão perpétua em 29 de novembro de 2012 pelo poema, considerado pelas autoridades um insulto aos símbolos da nação, de acordo com o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH).

Sua sentença foi reduzida para 15 anos em fevereiro passado, durante uma segunda apelação. Em 20 de outubro, a mais alta corte do Catar – o Tribunal de Cassação – decidiu manter a sentença de 15 anos. O único recurso de al Ajami agora é apelar por “clemência” para o Emir do Catar.

Esta sentença é claramente desproporcional”, disse a porta-voz do ACNUDH, Cécile Pouilly, a repórteres em Genebra, expressando preocupação sobre a decisão tomada pelo tribunal nesta semana.

Em janeiro, já havíamos expressado publicamente nossas preocupações sobre a dura sentença, a imparcialidade de seu julgamento e sobre os muitos meses que al Ajami passara na solitária”, ela acrescentou.

Fazemos um apelo para o respeito do direito de al Ajami à liberdade de expressão e por sua libertação imediata.”