Equipe médica cuida de menino ferido no terremoto de 7,2 ocorrido nas Filipinas em 15 de outubro de 2013. Foto: IRIN/Jason Gutierrez

Equipe médica cuida de menino ferido no terremoto de 7,2 ocorrido nas Filipinas em 15 de outubro de 2013. Foto: IRIN/Jason Gutierrez

Rio de Janeiro, Brasil.- As agências humanitárias das Nações Unidas começaram a chegar nesta quarta-feira (16) ao centro da ilha filipina de Bohol para ajudar o Governo na resposta ao terremoto de 7,2 graus na escala Richter que atingiu a localidade, e que, até o momento, já afetou mais de 3 milhões de pessoas.

Cabe assinalar que a informação foi traduzida em português e divulgada pela ONU Brasil no dia 17 de outubro.

De acordo com as autoridades nacionais, 144 pessoas morreram e mais de 290 ficaram feridas em decorrência do terremoto de terça-feira (15), que teve seu epicentro a duas milhas de distância da cidade de Carmen, ao norte de Mindanao.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) nas Filipinas informou que o tremor provocou deslizamentos de terra destruindo casas, pontes e igrejas centenárias. Sete cidades de três províncias foram afetadas.

O Governo e a Cruz Vermelha das Filipinas mobilizaram equipes de emergência e ambulâncias, enquanto as agências humanitárias estão chegando em Bohol para ajudar na avaliação de necessidades, coordenação e gestão de campo, suprimentos básicos de emergência e logística.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA), por exemplo, tem pré-posicionados estoques de pilhas de arroz , biscoitos energéticos e itens não alimentares, como geradores, tendas e escritórios móveis.

Uma ação conjunta entre o Governo e o OCHA completou uma avaliação preliminar na cidade Carmen, relatando que há uma necessidade urgente de suprimentos médicos e de água potável. Metade das casas no epicentro foram destruídas ou danificadas.