A bióloga gaúcha foi a primeira ativista do Greenpeace a receber a acusação formal de pirataria, após protesto pacífico no Ártico. Ela pode ficar 15 anos presa

FOTO PROPIEDADE DE GREENPEACE - Ana Paula Alminhana Maciel at the Leninsky District Court of MurmanskGreenpeace International activist Ana Paula Alminhana Maciel (from Brazil), at the Leninsky District Court Of Murmansk. A further eight Greenpeace International activists have been detained for two months in Russia pending an investigation into possible charges of piracy. The eight will join 22 others, including a freelance videographer and freelance photographer, detained on Thursday following a peaceful protest against Arctic oil drilling. Greenpeace International pledged to appeal all 30 detentions.09/29/2013 © Dmitri Sharomov / GreenpeaceSão Paulo, Brasil.– A promotoria russa apresentou hoje uma acusação de pirataria contra a ativista brasileira Ana Paula Maciel, 31, detida no país desde o dia 19 de setembro. Além de Ana Paula, também o cinegrafista freelancer britânico Kieron Bryan, contratado pelo Greenpeace Internacional, foi acusado de pirataria. Eles podem ser condenados a até 15 anos de prisão.

Cabe assinalar que a informação, traduzida em idioma português, foi divulgada pela Greenpeace Brasil no dia 2 de outubro.

Os promotores devem apresentar, nas próximas horas, as acusações para o restante do grupo. Vinte e oito ativistas e dois jornalistas (fotógrafo e cinegrafista contratados pelo Greenpeace Internacional) foram presos na Rússia após um protesto pacífico contra a exploração de petróleo no mar de Pécora. Todos estavam a bordo do navio Arctic Sunrise, que foi ocupado ilegalmente pela guarda costeira russa em águas internacionais.

“A acusação de pirataria está sendo lançada contra homens e mulheres cujo único crime é a posse da consciência. Isso é ultrajante e representa nada menos do que um ataque ao direito fundamental de protesto pacífico”, disse Kumi Naidoo, diretor-executivo do Greenpeace Internacional. “Qualquer alegação de que estas pessoas são piratas é absurda e abominável. Isso é absolutamente irracional e tem como objetivo nos silenciar. Mas não nos intimidaremos.”

“Esta é a ameaça mais séria para o ativismo pacífico do Greenpeace desde que agentes secretos franceses bombardearam o navio Rainbow Warrior e mataram nosso colega Fernando Pereira porque fomos contra testes de armas nucleares no Pacífico. Três décadas depois, os ativistas do Arctic Sunrise também tomaram uma posição, desta vez contra os poderosos interesses da indústria do petróleo e agora eles podem enfrentar anos de cadeia na Rússia. Eu faço um chamado às pessoas de todo o mundo. Apelo a qualquer um que já elevou a voz em apoio a algo que acredita, e especialmente ao povo da Rússia. Que se juntem a nós no pedido de liberdade aos ativistas.”

O protesto pacífico contra a plataforma de petróleo da Gazprom aconteceu dia 18 de setembro, quando dois ativistas tentaram escalar a lateral da plataforma para estender um banner. No dia seguinte, a guarda costeira russa ocupou ilegalmente o navio Arctic Sunrise, que se encontrava em águas internacionais, e prendeu toda a tripulação. O Greenpeace Internacional divulgou hoje fotos do momento em que os agentes de segurança russos, fortemente armados, pousaram de helicóptero no convés do Arctic Sunrise. As imagens mostram claramente que os ativistas, em nenhum momento, representaram uma ameaça às autoridades russas.

“Eu peço para as pessoas verem essas fotos e decidirem se ativistas pacíficos, com os braços levantados e sob a mira de pistolas podem de algum modo serem chamados de piratas”, disse Kumi Naidoo.

Mais de 800 mil pessoas em todo o mundo já enviaram cartas às embaixadas russas de seus países pedindo a liberdade dos ativistas. Ontem, o Itamaraty divulgou um comunicado afirmando que está prestando todo o apoio, por meio de sua representação diplomática na Rússia, à brasileira Ana Paula Maciel.