Em pré-julgamento, a Justiça russa decidirá o 26 de setembro sobre a continuidade da investigação sobre pirataria e se os ativistas permanecerão detidos

Foto GreenpeaceAmsterdam, Holanda. O governo holandês anunciou no dia 25 de setembro que considera tomar medidas legais contra as autoridades russas para o caso da prisão dos ativistas do Greenpeace e da retenção do navio Arctic Sunrise em Murmansk, segundo informação divulgada nas ultimas horas pela Greenpeace.

Em carta enviada aos parlamento holandês, o ministro de assuntos exteriores Frans Timmermans afirmou que o governo do país solicitou às autoridades russas a libertação do navio e de sua tripulação e que poderia levar o caso para o Tribunal Internacional para o Direito do Mar se a Rússia ignorar suas demandas.

“Esta é uma indicação clara de que a paciência do governo holandês está sendo testada”, disse Daniel Simons, conselheiro legal do Greenpeace Internacional. “O governo russo deverá indicar a base legal de suas ações em curto tempo ou corre o risco de enfrentar um processo de outro Estado soberano.”

Timmermans também indicou que discutiu o assunto hoje, em Nova York, com o ministro de assuntos exteriores russo Sergey Lavrov.
De acordo com os advogados do Greenpeace Internacional, todos os 30 ativistas foram interrogados e estão detidos em diferentes locais ao redor de Murmansk. Não se sabe os locais.

Na manhã desta quinta-feira, às 9h (hora local), os ativistas vão depor em uma corte de Murmansk e então a Justiça vai decidir se a investigação de pirataria prosseguirá e se os ativistas permanecerão detidos durante o período de investigação.