Foto Greenpeace

Foto Greenpeace

A afirmação, sobre protesto do Greenpeace na Rússia, foi feita nesta quarta-feira pelo presidente russo. Os ativistas ainda não receberam acusações formais.  

São Paulo, Brasil.O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez uma declaração sobre a situação dos 30 ativistas do Greenpeace detidos pelas autoridades do país após um protesto pacífico contra a exploração de petróleo no Ártico, segundo Greenpeace Brasil, em informação divulgada no dia 25 de setembro. Putin afirmou que eles possivelmente desrespeitaram leis internacionais, mas que “obviamente não são piratas”. A afirmação foi feita nesta quarta-feira, durante um fórum sobre o Ártico, na cidade de Salekhard. Até o momento, os ativistas não receberam qualquer acusação formal.

“Recebemos de bom grado o reconhecimento do presidente Putin de que nossos ativistas claramente não são piratas e que agiram apenas pela proteção do Ártico”, disse o diretor-executivo do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo. “Nossos escaladores tentaram se prender à lateral da plataforma para chamar atenção à ameaça que a exploração de petróleo representa ao Ártico e a necessidade urgente de responder aos alertas sobre mudanças climáticas. Este foi um protesto pacífico contra a ambição da Gazprom em ser a primeira companhia a extrair petróleo da região”.

Nesta quarta-feira, autoridades russas soltaram novas imagens – aparentemente feitas da plataforma – que mostram as forças de segurança russas confrontando dois escaladores durante o protesto na última quarta-feira.

No vídeo, é possível ouvir a escaladora Sini Saarela, da Finlândia – evidentemente aflita – gritando: “Estou descendo, estou descendo!”, enquanto agentes armados puxam a corda de segurança, que está segurando Sini. Em seguida, os agentes dão alguns tiros na água, ainda que o ativista no bote esteja com as mãos para cima, demonstrando que não havia qualquer intenção de violência.

A imprensa russa também divulgou que os agentes da Guarda Costeira que confrontaram os ativistas afirmaram não saber que o protesto estava sendo feito pelo Greenpeace Internacional. “Não podemos dar crédito para essa alegação. Nosso navio tem dois grandes arco-íris, duas pombas brancas e o logotipo do Greenpeace em cada lado da embarcação”, observou Naidoo. “Eles nos seguiram por 24 horas antes de o protesto ter início. Temos uma longa história de ativismo pacífico na Rússia e somos bem conhecidos pelas autoridades”.

O Greenpeace Rússia entrou em contato com a empresa Gazprom e com autoridades russas inúmeras vezes no passado, para explicar sobre a oposição pacífica da organização contra a exploração de petróleo no Ártico.

Todos os 30 ativistas continuam detidos na cidade de Murmansk. Cinco pessoas foram interrogadas na última noite pelo Comitê de Investigação russo e voltaram com documentos que confirmam que há uma investigação em curso, para saber se houve pirataria. Até o momento, no entanto, não houve qualquer acusação formal.