Representante especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria e secretário-geral da ONU na Rússia na Cúpula do G20. Foto: ONU/ Eskinder Debebe

Representante especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria e secretário-geral da ONU na Rússia na Cúpula do G20. Foto: ONU/ Eskinder Debebe

Rio de Janeiro, Brasil.- O representante especial das Nações Unidas e da Liga Árabe para a Síria, Lakhdar Brahimi, ressaltou nesta sexta-feira (6) que ele e outros diplomatas estão “trabalhando duro” para se preparar para a chamada Reunião Genebra II, que inclui todos os envolvidos no conflito da Síria e autoridades norte-americanas, russas e das Nações Unidas.

O objetivo da conferência é alcançar uma solução política para o conflito sírio através de um acordo entre o governo e a oposição para a implementação integral do Comunicado de Genebra, fornecido nas ultimas horas pela ONU Brasil.

No entanto, o destino da conferência está “em perigo” tanto por causa da alegação do uso de armas químicas nos arredores de Damasco, capital da Síria, quanto pelo “o que pode acontecer como uma consequência disso”, afirmou Brahimi após uma reunião na Cúpula do G20 na Rússia.

As amostras recolhidas na Síria pelos inspetores da ONU já estão sendo avaliadas em quatro laboratórios na Europa e, assim que os resultados saírem, eles serão primeiramente compartilhados com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e em seguida com o Conselho de Segurança das Nações Unidas e os 193 Estados-Membros.

Brahimi ainda advertiu que nenhum país está autorizado a usar a lei como quiser e pediu que qualquer ação sobre a Síria seja antes levada ao Conselho de Segurança da ONU.