Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Rick Bajornas.

Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Rick Bajornas.

Rio de Janeiro, Brasil.- O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou o assassinato do Procurador-Geral Adjunto de Estado da Somália, Ahmed Malim Sheikh Nur, expressando “profunda preocupação” com os recentes ataques na capital Mogadíscio que teriam como alvo o Judiciário do país.

O Secretário-Geral está profundamente preocupado com os recentes ataques em Mogadíscio que parecem ter como alvo os funcionários do judiciário e do sistema jurídico como um todo”, disse seu porta-voz em um comunicado divulgado na segunda-feira (29) à noite.

Cabe assinalar que a informação foi tradizida e divulgada pela ONU Brasil, no dia 30 de abril.

Ban Ki-moon “continua confiante de que tais atos criminosos não prejudicarão os esforços para fortalecer o Estado de Direito no país”, acrescentou o comunicado.

De acordo com relatos da mídia, homens armados mataram o Procurador-Geral Adjunto no último 26 de abril, quando ele saía de uma mesquita após as orações da sexta-feira.

Ban Ki-moon expressou suas sinceras condolências à família de Nur e reiterou o compromisso da ONU em apoiar e ajudar o Governo da Somália, as suas instituições e seu povo.

No início deste mês, o especialista independente da ONU sobre a situação dos direitos humanos na Somália, Shamsul Bari, pediu para a comunidade internacional para que prossiga os esforços para fortalecer a administração da justiça na Somália, apesar de uma série de ataques. Bari fez sua declaração após a bomba mortal e os ataques armados no Tribunal Regional de Banadir e perto do aeroporto de Mogadíscio.