Sede do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington, DC. Foto: FMI/Henrik Gschwindt de Gyor

Sede do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington, DC. Foto: FMI/Henrik Gschwindt de Gyor

Rio de Janeiro, Brasil.- Líderes das Nações Unidas se reuniram na terça-feira (23) com especialistas em economia e representantes de instituições financeiras internacionais para discutir sobre o problema da dívida que assola tanto países pobres quanto ricos. Segundo os participantes da reunião, a crise econômica global pode afetar a agenda de desenvolvimento da ONU.

Para alcançar o desenvolvimento sustentável, a comunidade internacional deve promover o endividamento e empréstimos responsáveis, juntamente com uma melhor gestão da dívida”, disse Néstor Osorio, presidente do Conselho Econômico e Social (ECOSOC), na abertura da reunião.

Osorio observou que o debate sobre a reestruturação da dívida tem implicações importantes para o financiamento do desenvolvimento sustentável e para a agenda de desenvolvimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que visam reduzir a pobreza extrema e os males que o acompanham até o prazo de 2015.

De acordo com o Secretário-Geral da ONU, a dívida externa total dos países em desenvolvimento e países com economias em transição ultrapassou os 4 trilhões de dólares em 2010, um aumento estimado em 12% para 2011.

Os países em situação de superendividamento geralmente são incapazes de atrair o financiamento necessário para o desenvolvimento sustentável”, observou Osorio.

Ele acrescentou que os países com dívida pendente sempre gastam uma grande proporção dos recursos públicos para quitá-la e são incapazes de alocar a receita pública para as despesas necessárias para o desenvolvimento sustentável.

É preciso dizer que a informação foi traduzida e divulgada pela ONU Brasil, no dia 26 de abril.