Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Evan Schneider

Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Evan Schneider

Rio de Janeiro, Brasil.- O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e o Conselho de Segurança da ONU condenaram nesta terça-feira (23), nos termos mais fortes, um ataque à embaixada francesa na capital da Líbia, Trípoli, lembrando a responsabilidade das autoridades líbias em garantir a proteção das instalações diplomáticas.

Ter como alvo missões diplomáticas e suas equipes não é aceitável e nunca justificável”, disse o porta-voz de Ban Ki-moon em um comunicado.

O Secretário-Geral está confiante de que as autoridades líbias tomarão todas as medidas para garantir que os autores deste ataque sejam levados à justiça e que a proteção adequada para instalações diplomáticas seja fornecida”, acrescentou.

De acordo com relatos da mídia, autoridades líbias disseram que um carro-bomba explodiu em frente à embaixada no centro de Trípoli na manhã desta terça-feira (23), ferindo dois guardas franceses e destruindo grande parte do complexo diplomático.

Por meio da mensagem, Ban Ki-moon enviou sua solidariedade às vítimas e suas famílias, afirmando que a ONU apoiaria os esforços para melhorar a segurança e a ordem jurídica no país.

As Nações Unidas continuam empenhadas em ajudar o Governo líbio e as pessoas com o processo de construção de um Estado democrático e que reafirme o Estado de Direito”, disse.

Em um outro comunicado, os membros do Conselho de Segurança condenaram os atos de violência contra os representantes diplomáticos, que, segundo eles, “põem em perigo vidas inocentes e impedem seriamente o trabalho de tais representantes e funcionários”.

Através do comunicado, lido a jornalistas por Eugène-Richard Gasana, de Ruanda — que detém a presidência rotativa do Conselho de Segurança em abril — os membros do Conselho reafirmaram que os atos de terrorismo são criminosos e injustificáveis, sublinhando a necessidade de trazer os perpetradores de tais atos à justiça.

Um ataque no dia 11 de setembro de 2012 no Consulado dos Estados Unidos em Bengazi, na Líbia, resultou na morte de quatro diplomatas norte-americanos, bem como de funcionários líbios do Consulado.

É preciso assinalar que a informação foi traduzida em idioma português e divulgada nas ultimas horas pela ONU Brasil.