O primeiro-ministro Salam Fayyad (à direita) em Ramallah, Cisjordânia, ao lado do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, em março de 2010. Foto: ONU/Mark Garten

O primeiro-ministro Salam Fayyad (à direita) em Ramallah, Cisjordânia, ao lado do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, em março de 2010. Foto: ONU/Mark Garten

Rio de Janeiro, Brasil.- As Nações Unidas reiteraram nesta segunda-feira (15) o compromisso de trabalhar com parceiros palestinos e com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, em temas como desenvolvimento, a construção do Estado palestino e a realização de uma solução de dois Estados. O anúncio foi feito logo após a renúncia do primeiro-ministro Salam Fayyad.

O primeiro-ministro Fayyad não tem sido apenas um interlocutor com o qual eu, pessoalmente, tenho a mais alta estima, mas também um parceiro valioso para a comunidade internacional, incluindo as Nações Unidas”, afirmou o Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Robert Serry, em um comunicado.

Serry se reuniu com Fayyad mais cedo para “expressar, em nome das Nações Unidas, a sua apreciação por suas realizações”.

A ONU reconhece que o primeiro-ministro Fayyad teve que lidar com circunstâncias que dificultavam o sucesso da agenda de construção do Estado que ele liderou junto com o presidente Abbas”, adicionou a declaração de Serry. “E o que agora — na ausência de um horizonte político confiável — está em sério risco.”

Falando ao Conselho de Segurança da ONU em março, Serry havia afirmado que cabe à ONU, e à comunidade internacional em geral, ajudar o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e Abbas a superar suas diferenças.

Ele também afirmou que, com as pessoas do Oriente Médio enfrentando um período de “desafios extraordinários e tumulto”, estabelecer as bases necessárias para um processo de paz israelense-palestino credível continua a ser uma prioridade central para a ONU.

Segundo relatos da imprensa, Mahmoud Abbas iniciou neste domingo (14) o processo de escolha do novo primeiro-ministro palestino, após aceitar no sábado (13) a renúncia de Fayyad, que estava à frente do executivo da ANP desde 2007.

Cabe assinalar que a informação, traduzida em idioma português, foi divulgada pela ONU Brasil