Autoridades de Gaza registram caminhões que entram em Rafah depois de recuperar importações de Kerem Shalom. Foto: IRIN / Erica Silverman


Autoridades de Gaza registram caminhões que entram em Rafah depois de recuperar importações de Kerem Shalom. Foto: IRIN / Erica Silverman

Rio de Janeiro, Brasil – As restrições impostas por Israel quanto à entrada, saída e circulação de pessoas e bens em Gaza estão afetando a vida de milhares de pessoas, afirmou a ONU na quarta-feira (10). O controle foi reforçado em fevereiro desse ano devido à insegurança na região.

È preciso dizer que a informação foi traduzida à idioma português e divulgada pela ONU Brasil, no dia 12 de abril.

Desde o dia 21 de março, essas restrições também incluem uma redução no limite de pesca de seis para três milhas náuticas, o que está afetando em torno de 3.500 famílias estabelecidas em Gaza que dependem da atividade para a sobrevivência.

Essas medidas estão causando o esgotamento de estoques de suprimentos essenciais, incluindo alimentos básicos e gás de cozinha, e prejudicando a subsistência e os direitos de muitas famílias da região”, disse o Coordenador Humanitário da ONU, James W. Rawley. “Se essas restrições continuarem, o efeito sobre a população de Gaza vai ser sério.”

Na semana passada, o lançamento de foguetes de Gaza contra Israel aumentou as tensões na região. O acordo de cessar-fogo que pôs fim a oito dias de violência em Gaza e Israel, mediado pelo Egito em novembro, foi quebrado.

As Nações Unidas vão continuar a apoiar os esforços egípcios para restaurar a calma e implementar integralmente o entendimento de cessar-fogo como o único caminho viável para resolver a situação insustentável em Gaza”, disse em nota o Escritório do Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio (UNSCO).