As conseqeências de um ataque a bomba no Iraque. Foto: IRIN/arquivo

As conseqeências de um ataque a bomba no Iraque. Foto: IRIN/arquivo

Rio de Janeiro, Brasil.- A missão das Nações Unidas no Iraque expressou preocupação nesta segunda-feira (8) com o aumento da violência no país do Oriente Médio, que matou mais de 200 civis e feriu mais de 800 pessoas mês passado.

“As Nações Unidas lamentam a perda de vidas humanas civis resultantes de atos de terrorismo e conflitos armados”, disse o Diretor de Direitos Humanos Missão de Assistência da ONU no Iraque (UNAMI), Francesco Motta.

“Igualmente preocupante é o número de membros das forças de segurança do Iraque que são chamados diariamente para combater o terrorismo e a violência e proteger a vida de civis e infraestruturas civis”, acrescentou.

De acordo com a UNAMI, pelo menos 229 civis foram mortos e 853 outros ficaram feridos em atos de terrorismo e violência armada no Iraque em março. Além disso, 227 membros das forças de segurança iraquianas foram mortas e 300 ficaram feridos em consequência dos ataques.

Segundo nota da ONU Brasil, divulgada em idioma português, no dia 9 de abril, o Iraque continua a sofrer de ataques perpetrados por uma série de grupos terroristas, entre eles a Al-Qaeda no Iraque e o Estado Islâmico do Iraque. No mês passado, a ONU condenou repetidamente a onda de ataques contra manifestantes, profissionais da mídia e outros civis.

Violência nas últimas semanas também afetaram a corrida para as eleições locais, que serão realizados em todo o país em 20 de abril. Ataques teriam matado pelo menos 10 candidatos.

A violência também afetou a infraestrutura civil. As áreas mais afetadas permanecem a capital Bagdá e as províncias de Anbar, Salahuddin e as áreas de disputa de Ninewa e Kirkuk, afirmou a UNAMI em um comunicado à imprensa.