Haitianos recebem rações de alimentos após a passagem do furacão Sandy em outubro de 2012. Foto: PMA/Elio Rujano


Haitianos recebem rações de alimentos após a passagem do furacão Sandy em outubro de 2012. Foto: PMA/Elio Rujano

Rio de Janeiro, Brasil.- O Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) alertou nesta quarta-feira (3) que cada vez mais pessoas no Haiti não têm o que comer, muito pela seca e pelo impacto das recentes tempestades tropicais no país.

É precisso dizer que, a informação foi traduzida à idioma português e divulgada pela ONU Brasil no dia 4 de abril.

Os índices de desnutrição em algumas áreas do Haiti têm aumentado desde outubro do ano passado e a escassez de alimentos está afetando sete das 10 províncias do país, segundo informações do OCHA. Cerca de 82 mil crianças menores de 5 anos de idade são desnutridas.

O OCHA disse hoje [3 de abril] que cerca de 1,5 milhão de pessoas continuam a ter insegurança alimentar grave no Haiti, principalmente como resultado da seca e do impacto dos furacões Isaac e Sandy,” disse o Porta-Voz da ONU, Eduardo del Buey, a jornalistas em Nova York. ”As agências da ONU e organizações humanitárias trabalham com o Governo para levar assistência alimentar a centenas de milhares de pessoas”, acrescentou  Buey.

O Haiti se reconstrói do terremoto que atingiu o país no início de janeiro de 2010, matando cerca de 220 mil pessoas e deixando outas 1,5 milhão desabrigadas, além de causar grande destruição, especialmente na capital Porto Príncipe e uma grave crise humanitária.