B7 Foto FAO Brasil. - -

Brasília DF, Brasil.- Com o objetivo de identificar experiências positivas no campo da agricultura nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, foi instalada hoje (25) em Curitiba a primeira unidade no Brasil de coordenação de projetos da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura).

“É uma experiência de solidariedade muito grande, porque o principal objetivo é levar as experiências bem-sucedidas dos estados do Sul para países da América Latina e para a África e poder trazer técnicos desses países para adquirirem conhecimento aqui”, afirmou o representante da FAO no Brasil Alan Bojanic, durante a solenidade de assinatura da instalação na Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (Seab), na capital. Ele também destacou que o acordo é um momento histórico para os estados do sul. “Até hoje, a FAO só tinha escritórios em capitais federais. Esta é uma experiência piloto que pode ser levada para outras regiões do Brasil, como o Nordeste e a Amazônia.”

Segundo a FAO, em nota divulgada nas ultimas horas, a unidade desenvolverá ações nos três estados do Sul e contará com dois escritórios no Paraná: um em Curitiba, no Instituto Emater, e outro em Foz do Iguaçu, no Parque Tecnológico Itaipu. A escolha do Paraná como sede se deve à importância agrícola do estado e ao acúmulo de experiência positivas desenvolvidas pelos parceiros nesta ação – além da FAO, a Seab, o Emater e a Itaipu Binacional. “O Paraná tornou-se um laboratório a céu aberto de boas práticas agrícolas, que conciliam a produção e a preservação do meio ambiente”, disse o diretor geral da Itaipu, Jorge Miguel Samek.

Valter Bianchini, secretário nacional de Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário, contou que esteve há 15 dias no Senegal. “Vi o quanto eles esperam modelos de cooperativas e políticas públicas para desenvolver a agricultura naqueles países pobres.”

Entre as atividades, iniciativas, programas e projetos a serem “exportados” estão a promoção do desenvolvimento rural sustentável, a segurança alimentar e nutricional, a produção de alimentos, a preservação ambiental, a conservação de solo e água, a sanidade vegetal e animal, a promoção das energias renováveis e a inclusão sócio-produtiva, centrada na expansão e no fortalecimento da agricultura familiar.

Cedido pelo governo do estado para coordenar o escritório, o engenheiro agrônomo do Emater Carlos Alberto Biasi disse que haverá também troca de informações e experiências bem-sucedidas entre os três estados do Sul.

Ao falar da escolha do Paraná para sediar a unidade da FAO, o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, lembrou que, além da importância agrícola, o estado mantém boas parcerias com o governo federal, os governos estaduais e os municípios, além das ONGs, que tornam possível a inclusão social e dão acesso aos alimentos por parte da população carente.

Financiamento

De acordo com nota da FAO Brasil, o orçamento dos escritórios será de US$ 320 mil anuais. A Itaipu Binacional entrará com o aporte de US$ 120 mil anuais pelo período de três anos e a  Agência Brasileira de Cooperação (ABC), com os outros US$ 200 mil anuais.

Estiveram ainda presentes à solenidade o secretário nacional de Segurança Alimentar do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Arnoldo Anacleto Campos; o secretário nacional de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, Paulo Guilherme Francisco Cabral; o reitor da Universidade Federal do Paraná Zaki Akel; o secretário de Estado do Trabalho, Emprego e Economia Solidária Luiz Cláudio Romanelli; o deputado estadual Elton Welter (PT); a assessora do secretário de Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul, Sabrina Parrino; e o diretor-presidente do Instituto Emater Rubens Ernesto Niederheitmann; além de representantes de diversas entidades ligadas à agropecuária.