Nesta segunda-feira (4), comissão da ONU sobre mulheres deu início em Nova York a sessão anual com chamada pelo fim da violência de gênero.

B5 Foto ONU Brasil.    -Rio de Janeiro, Brasil.- A comissão das Nações Unidas com foco nas mulheres iniciou nesta segunda-feira (4) sua sessão anual com uma chamada para eliminar a violência contra as mulheres e meninas, um flagelo global que afeta milhões em todo o mundo.

Acabar com a violência contra as mulheres é uma questão de vida e morte”, disse o Vice-Secretário-Geral, Jan Eliasson, na abertura da sessão de duas semanas da Comissão sobre o Status da Mulher, em Nova York. “O problema permeia todos os países, mesmo nas regiões mais estáveis e desenvolvidas.”

Cabe assinalar que a informação e conceitos foram traduzidos pela ONU Brasil, no dia 5 de março.

Eliasson ressaltou que são necessárias múltiplas abordagens para resolver esta questão, desde governos implementando políticas para capacitar as vítimas e perseguir penalmente os agressores, até a criação de uma cultura em que os estereótipos de gênero sejam quebrados ao incentivar os homens e meninos a tomar uma parte equitativa das responsabilidades em sua casa e famílias.

A violência contra a mulher permeia tanto zonas de guerra quanto comunidades estáveis, tanto capitais quanto zonas rurais, tanto espaços públicos como a esfera privada”, disse Eliasson. “Uma vez que é uma característica inaceitável da vida diária, temos de responder em todos os lugares e em todos os níveis.”

De acordo com a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), até 70% das mulheres em alguns países enfrentam violência física e/ou sexual em sua vida.

Em países como Austrália, Canadá, Israel, África do Sul e Estados Unidos, a violência de um parceiro íntimo representa de 40% a 70% das vítimas de assassinato do sexo feminino. Além disso, cerca de 140 milhões de meninas sofrem mutilação genital e outras milhões são submetidas a casamentos forçados e tráfico.

Fim do problema é estratégico para alcançar Objetivos do Milênio

Eliasson ressaltou que a eliminação da violência contra as mulheres e meninas também é uma questão intrinsecamente ligada ao desenvolvimento e à paz. É fundamental para atingir as metas de combate à pobreza, conhecidos como os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), disse ele, como o acesso a saneamento básico, essencial para garantir que as mulheres tenham lugares seguros para buscar privacidade. “Isso não é possível quando existem atualmente mais de um bilhão de pessoas sem acesso a banheiros.”

O mesmo é verdade para a nossa busca da paz. As mulheres são especialmente vulneráveis em conflitos. Elas são muito frequentemente vítimas de atrocidades indescritíveis”, disse Eliasson, notando que a violência sexual em conflitos se tornoue uma arma de terror para os que usam o medo entre as mulheres e as populações civis.

A Diretora Executiva da ONU Mulheres, Michelle Bachelet, disse à Comissão que “o mundo não pode mais arcar com os custos da violência contra as mulheres e meninas, os custos sociais e econômicos e os custos da profunda dor humana e do sofrimento”.

Bachelet apontou vários incidentes que ocorreram durante o ano passado em todo o mundo contra as mulheres e meninas que provocaram enormes protestos públicos, e ressaltou que é mais urgente do que nunca para os governos agir sobre esta questão.

Casos marcantes pelo mundo são lembrados

Ao longo dos últimos meses, as mulheres, os homens e os jovens foram às ruas com cartazes que diziam ‘Onde está a justiça?’ Eles declararam solidariedade com uma menina paquistanesa atingida por defender o direito à educação. Eles exigiram justiça por uma jovem mulher na Índia e outra na África do Sul que foram brutalmente estupradas e mortas. Eles exigiram o fim dos casos intermináveis de estupro e violência que ameaçam a vida de inúmeras mulheres e meninas em todos os países, mas nunca fazem as manchetes.”

Bachelet disse que, embora tenha havido progressos nas últimas décadas no estabelecimento de normas e padrões internacionais para proteger as mulheres contra a violência, a questão continua a ser generalizada e a impunidade ainda é a norma, e não a exceção.

Esta é uma questão de direitos humanos universais e a dignidade humana inerente que diz respeito a todos nós, que nos envolve a todos, exige uma ação concertada e urgente de todos nós.”

A Presidente da Comissão, a Embaixadora da Libéria Marjon V. Kamara, disse que, durante a sua sessão de duas semanas, a Comissão irá examinar formas mais eficazes para a prevenção da violência contra mulheres e meninas e assegurar que sejam tomadas medidas no terreno para criar uma mudança real na vida das mulheres.

Nos reunimos aqui com um mandato claro: criar um mundo onde a igualdade de gênero nunca está em questão e a discriminação e a violência contra as mulheres e meninas são uma coisa do passado”, disse ela.